sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Sobre nada

A verdade é que não existe verdade.
As opiniões mudam, as circunstâncias também. Ninguém é um poço de certeza ou de opinião imutável, por mais cabeça dura que possa parecer. A dúvida sempre vai aparecer.

Quando eu era criança, eu gostava de margaridas e queria ser advogada.
Hoje, gosto de girassóis e sou professora.
E sabe-se-lá do que mais vou gostar e o que mais vou ser até o fim da vida.

O mais difícil na minha opinião, não é fazer escolhas, mas sim arcar com as consequências delas e encarar a minha provável falta de coragem de mudar de caminho,de assumir que não estou satisfeita e correr atrás de coisas novas. Esse é o meu medo.

Porque querendo ou não, sempre fui induzida a fazer cada coisa na sua hora.
Na vida, as pessoas têm a hora de estar na escola, de ir para a faculdade, de casar, ter filhos e etc. Parece que são as únicas opções. Nossa vida sempre foi encaminhada para caber em uma forma que não sabemos quem inventou, de onde veio. Precisamos nos encaixar? Claro que não. Porém, quando não fazemos isso, sentimos um desconforto, sei lá. Parece que não somos desse mundo... é estranho.
Mas não me importa.
Quero aprender a ter coragem de inventar eu mesma a minha forma, fazer o que tiver com vontade de fazer, como eu quiser. A história é minha.

Tenho que parar de ter medo de viver.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

viva la vita




A arte de renascer das cinzas diárias das quais nós mesmos somos feitos.
A arte de aprender a conviver com situações novas da melhor forma possível.
A arte de se livrar do que é inutilmente velho para abrir espaço para o novo bem melhor.
A arte de saber distinguir o que é inútil do que é útil em sua própria vida.
A arte de viver plenamente a maior parte do tempo que conseguir.
A arte de viver, muito antes de apenas " sobreviver" .

Todos nós temos um quê de artista... ou quem sabe, possamos ter o alfabeto inteiro.