quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Então...




E daí se a minha profissão não é tão valorizada quanto a de um engenheiro por exemplo? ( nada pessoal). Quero e vou ser professora sim! E com muito orgulho. Quero poder dividir o conhecimento que adquiri em tantos anos de estudo, quero aprender com o conhecimento prévio de jovens que serão o futuro. Quero corrigir provas, quero planejar aulas e quero me divertir muito em sala de aula, porque não?! Trabalho pode sim ser diversão.
Escolas sucateadas, Ministério da Educação pouco ligando, alunos rebeldes? Sim. Toda profissão tem seus problemas, se esses forem os meus, lutarei para poder mudar a minha parte da situação. O mundo começa a mudar apartir da nossa mudança.

Tenho minhas crenças, minhas concepções, meu modo de vida, minhas filosofias. Não deixarei de fazer nada por causa dos olhares tortos que posso receber por aí ou pelas palavras duras que sairão de bocas que por mim, sinceramente, não teriam dente algum.

Eu sou dona de mim e da minha história.
Sou eternamente responsável por tudo que adquirir, desde coisas materiais até estilo de vida que só perceberei que tive quando estiver sentada na cadeira de balanço rodeada de netos.
Prefiro colecionar boas lembranças do que doenças e uma bela conta na farmácia.
Por isso não me julgue se resolver largar tudo e andar por aí. Só tento me achar, me perdendo cada vez mais na imensidão desse mundão de Deus.

A vida e minha, o "pobrema" é meu.
Rá.

"Eu que não me sento

No trono de um apartamento

Com a boca escancarada cheia de dentes

Esperando a morte chegar..." Raul Seixas - Ouro de Tolo.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Jeito de Mato.




Estou completamente viciada nessa música da Paula Fernandes.
Ela me dá uma sensação que não sei explicar!
Mistura uma vontade de estar nessa tal fazenda, com uma vontade de estar numa cachoeira, não sei. Sei que ela arrasou na melodia, música muito boa pra escutar em um fim de tarde olhando o mundo pela janela e sentindo a brisa no rosto...

Fora que ainda conta com a participação do Almir Satter, aquele violeiro que aparece em tudo quanto é novela que tem ambiente de fazenda.

Olha que letra linda:


Jeito De Mato Paula Fernandes


De onde é que vem esses olhos tão tristes?

Vem da campina onde o sol se deita.

Do regalo de terra que teu dorso ajeita.

E dorme serena, no sereno e sonha.


De onde é que salta essa voz tão risonha?

Da chuva que teima, mas o céu rejeita.

Do mato, do medo, da perda tristonha.

Mas, que o sol resgata, arde e deleita.


Há uma estrada de pedra que passa na fazenda.

É teu destino, é tua senda.

Onde nascem tuas canções.


As tempestades do tempo que marcam tua história

Fogo que queima na memória E acende os corações.

Sim, dos teus pés na terra nascem flores.

A tua voz macia aplaca as dores

E espalha cores vivas pelo ar.


Sim, dos teus olhos saem cachoeiras.

Sete lagoas, mel e brincadeiras.

Espumas, ondas, águas do teu mar...

;)

domingo, 17 de outubro de 2010

E tudo anda em seu lugar.




Pois bem.
Já estou há 15 dias na minha casa nova e ainda tem muito o que arrumar.
Embora eu já tenha minha cama nova, meu armário novo e tudo arrumadinho, ainda falta lugar pros meus livros e minha mesa de estudos. Tudo bem.
pela casa, aos poucos tudo vai tomando o seu destino e na casa " velha" não tem mais nada que nos pertence além de lembranças. Nem a chave é nossa mais.
Tudo bem.

Contudo as coisas nunca estiveram tão certas, tão arrumadas.
A vida nunca estivera tão clara, tão decodificada.
E tudo isso é de grande parte, culpa da Alegria.
Alegria que toma conta do meu ser a cada dia mais, que me completa a cada dia mais, que literalmente me enche de alegria a cada momento.
Alegria que surpreende, mas ao mesmo tempo me conforta.
Ô beleza de Alegria.
Eu amo essa Alegria. Tanto que nem sei.


;)