segunda-feira, 27 de setembro de 2010

A única coisa permanente na vida, é a mudança.

Tenho mais 4 noites na minha casa.
Engraçado quando a gente quer muito uma coisa, acaba conseguindo. Mas depois, na eterna insatisfação do ser humano, fica saudosista, achando que era melhor ter quisto outra coisa.
Sempre quis mudar de casa, mudar de cidade, mudar de vida. Sempre me enjoei fácil das coisas e tive essa síndrome de novidade comigo. Agora que finalmente tenho data certa pra me mudar, acho estranho, caminho cabisbaixa pelo jardim que costumava ser minha floresta particular quando eu era pequena. Cada canto foi cuidadosamente planejado e cuidado com carinho e zelo. Cada encontro de família, cada Natal, cada Ano Novo. Lembro até dos cães que já tive, correndo pela grama, enterrando nossas coisas, nos fazendo ficar furiosos. Lembro dos passinhos singelos das crianças que já passaram por aqui, desde meus sobrinhos, até eu mesma. Foi a casa que nasci, cresci e já tive o sonho, inclusive, de me casar. Quem conhece minha casa, sabe que seria perfeitamente possível e seria lindo de morrer.
Minha casa... já não é mais minha.
Uma cena que nem aconteceu não sai da minha cabeça. A cena do portão se fechando e eu olhando pelo retrovisor pela última vez até ela sumir pelo horizonte.
Sei que minha vida só começa e quantas casas mais entrarei e sairei nessa vida?
Mas essa era a casa né?
E eu sou assim mesmo, nostálgica. Nada mais justo pra uma historiadora ( ou aspirante a )

Tenho partes boas nisso tudo. Um quarto novo, do jeito que eu sempre quis...
Móveis novos por toda casa, uma vida inteira pela frente.
Sei que terei muitas alegrias onde quer que eu vá.
Mas essa foi a primeira casinha...já sinto saudades antes mesmo de partir.
A palavra ESTRANHO pode definir o que sinto agora.

2 comentários:

Sandro Ataliba disse...

Quase chorei.

Thaís Alves disse...

Irmã, o motivo de sempre termos cuidado com o que desejamos é que podemos tornar os desejos realidade. A nostalgia é gostosa. Li em um texto da Adriana Falcão que "Saudade é quando o momento tenta fugir da lembrança pra acontecer de novo e não consegue. " e "Lembrança é quando, mesmo sem autorização, seu pensamento reapresenta um capítulo. " Então curta as suas lembranças e até mesmo a pontada de dor gostosinha da saudade que vai ficar. Mas não se esqueça que a vida é feita de escolhas e que, para ter o novo, é preciso deixar pra trás o que é velho, como aquela roupa preferida, que é linda, mas um dia não serve mais. Se você insiste em sair com a roupa mesmo assim, não se sente mais confortável dentro dela. Melhor olhar as fotos de quando ela servia bem, não é? As lembranças lindas vão sempre te acompanhar e te trazer saudade e nostalgia... só não permita que elas levem à melancolia. Porque a única coisa que não muda na vida é a nossa mania e necessidade de mudar ;) Amo você! Beijos