quarta-feira, 16 de junho de 2010

Mais um post "querido diário"

Tem horas que acho que me perdi. Mas nem quero me achar.
Horas acho que finalmente me encontrei, mas queria era me perder mais, me desprender mais de mim mesma.

Sempre fui muito certinha, muito correta com as coisas. Até que ponto me beneficiei disso?
Mas também não quero enlouquecer (muito), sair muito dos eixos que construí, dos valores que incorporei, da vida que vivi até agora.

Meio termo? Isso dá pra fazer. Dá?

Sempre tive dificuldades em montar meu "Eu". Não consigo simplesmente fazer as coisas como naturais, sempre tenho que arquitetar tudo, planejar tudo. Isso pode ser ótimo e útil mas pra mim, que vivo comigo mesma o tempo todo é muito chato. Por isso quero me libertar. Me libertar de mim mesma e meus medos e fraquezas bobas e imaginárias.
Tenho conseguido viver muito bem ultimamente, obrigada. Mas quero sempre mais.
To bem tranquila, esperançosa... cuido mais de mim, das minhas vontades, da minha mente.
Ás vezes é bom ser um pouco egoísta, pra quem sempre pensou muito mais nos outros do que em si mesma. Me importo com o que vou pensar, no que vou sentir, e não mais no que vão achar de mim.

é isso.

2 comentários:

Sandro Ataliba disse...

Já pensei muito assim. Mas, no final das contas, eu sempre acabo voltando para mim. Bom ou não, fato que nossa essência é muito forte, e por isso é tão difícil nos libertarmos dela. E, sinceramente, depois de todo esse tempo, nem sei se vale a pena.
Beijo, irmã!

Thaís Alves disse...

Também é nisso que eu acredito, se importar com os outros sim, desde que isso não agrida o principal: se importar com vc mesma, antes de tudo. Egoísmo? Não! Egoísmo é pensar sempre em si mesma, nunca pensar no outro. Isso é realismo, amor próprio! Que vc se encontre e se perca muitas vezes, só porque as vezes é gostoso não saber o que está por vir. Beijos, irmã!