terça-feira, 25 de maio de 2010

rien de rien.




mas é como se estivesse certa de que pensar não leva a lugar nenhum mas mesmo assim insiste em matutar as coisas naquela cabecinha de bagre. Ja tinha desistido de imaginar demais, porém quando chegou ao topo da serra, olhou pra baixo e viu o quanto já tinha subido...agora não dá mais pra voltar. Qual é o ponto limite entre encarar e desistir? Qual a validade de se fazer o que quer errado e se fazer o que não quer certo?


Pela frente tinha um desfiladeiro, cheio de verde. O céu estava azul e o sol nascendo. Mais um dia começava então. O cheiro da relva molhada entrava pelas narinas e dava uma sensação de liberdade...de frescor que a fazia não desistir mais. Incrível como há uma grande diferença quando se vive e quando se pensa sobre.


Ah vai. Pode ser mais simples do que isso. São só passos. Um de cada vez, isso é o mais importante.






2 comentários:

Thaís Alves disse...

"Non... rien de rien...
Non... je ne regrette rien
Ni le bien qu'on ma fait,
Ni le mal - tout ça m'est bien égal"

Vc tem que escolher até qdo ainda pode adotar estes versos! Eqto puder, se joga neles. Qd não puder mais, enfrenta a nova realidade que vc vai ter que se jogar! Ainda que não tenha ngm pra te segurar e vc tiver que cair... Beijos

Laura disse...

agora não dá mais pra voltar atrás
escolhas foram feitas e inicialmente pode até parecer que perdemos...fazer escolhas dói e associamos com frequência que doer é perder tbm. mas isso não é verdade, quando fazemos escolhas é aí que ganhamos. temos que ser decididos nessa vida. saber o que a gente quer. nessa vida não vale ficar estacionado...o lance é continuar..