segunda-feira, 26 de abril de 2010

Post "querido diário"

"Calma alma minha,
Calminha..."

Às vezes a gente faz coisas e só vai entender depois.
Se eu pudesse, pedia pra Deus pra ver meu futuro, pra ver o que eu devo fazer agora pra deixar o futuro do jeito que eu fosse me sentir mais realizada. De um jeito bom sabe?
Ah, como eu queria ver minha vida só um pouquinho! A incerteza do amanhã faz a gente arriscar demais, se arrepender demais, se frustrar demais, se doer demais...
A minha vida sempre foi muito intensa. Se é felicidade, é demais. Se é tristeza, é demais!
Hô Deus, num dá pra mandar um meio termo não?!


"Papai do Céu, me proteja e desenvolva em mim a serenidade. Me dê paciência para aceitar o que não posso mudar, coragem para mudar o que posso e sabedoria para distinguir uma coisa da outra. Amém."



"Já, que você não está aqui
O que posso fazer é cuidar de mim...
Quero ser feliz ao menos
Lembra que o plano era ficarmos bem?!" (legião Urbana - Vento no litoral)


Saudade do passado...saudade até do que ainda não vivi...saudade do meu futuro.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

É engraçado quando a gente passa a dar valor a coisas que antes eram tão banais...
Tenho valorizado muito as risadas.
Aquelas sinceras, que surgem lá de dentro e te fazem até perder o ar.
Tenho valorizado as pessoas que me fazem rir.
Porque são essas pessoas que te tiram do tédio, que te fazem esquecer os problemas, as angústias e os tempos maus.
Tenho valorizado os momentos.
Pois mesmo que passageiros, são momentos únicos, que não voltam mais. E, justamente por não haver possibilidade de volta, que eles se tornam tão gostosos...tão...únicos.

Eu sou uma pessoa carente. Preciso sempre estar rodeada de gente. Preciso sempre de gente pra qualquer coisa. Sei que vim sozinha pra esse mundo sozinha e vou voltar pra sabe-se lá onde sozinha,
Mas enquanto eu estiver aqui, sou grata por ser rodeada de gente que me faz rir.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

sobre escrever

Eu sempr gostei muito de escrever, sabe? Quem me conhece há muito tempo sabe que eu já tive vários blogs e entre idas e vindas, sempre gostei de ter onde escrever minhas coisas.
Porém, eu costumo dizer que tenho vários personagens dentro de mim. E por vezes, acho conveniente me apropriar de qualquer um deles para fabricar meus escritos. Então, se você achar estranho qualquer coisa, não faz mal...é só alguém dentro de mim querendo sair, tomar voz, usar minha mente e minhas mãos para ganhar vida. Não, isso não é psicografia nem nada do tipo. É apenas eu, querendo ser um pouco de cada um, pra ver se experimento como é ser outro alguém. Às vezes é desabafo meu, às vezes de outro eu que não sou eu mas vive em mim.
Confuso? Nada...
Na verdade, tanto você quanto eu sabemos que você não é uma pessoa só.
Personalidade e caráter é uma coisa. OK.
Mas eu estou falando de comportamento... você aluno é diferente de você filho, ou você profissional.
Agora escrever como eu é como se eu tivesse a oportunidade de ser outra, ou outro, vivendo outras situações, em outro lugar, sentindo outras coisas... só pra ver como é.
Mas no final das contas, é só eu contra mim mesma.

domingo, 11 de abril de 2010

Eu detesto me fazer de vítima.
Detesto não sorrir, ser uma pessoa triste.
Não gosto de remoer e nem de sofrer.
As coisas mudam, o tempo passa, tudo passa. ( até uva...)
Só que, hoje... agora... eu vou me permitir um silêncio.
Uma dor.
Uma solidão.

Só por um momento.
Só hoje.

quinta-feira, 1 de abril de 2010

in wonderland...





Foi quando se surpreendeu, ao ver o Gato Inglês sentado num galho de árvore a pouca distância dali. O Gato apenas sorriu quando viu Alice. Parecia muito simpático, ela pensou. Tinha, porém, garras muito longas e uma porção de dentes, de modo que ela considerou que deveria tratá-lo com respeito.

-Gatinho Inglês - começou ela, meio tímida, pois não tinha muita certeza se ele iria gostar de ser tratado nesse modo.

O Gato apenas alargou um pouco o sorriso.

"Ora, vejam só, parece que ele gostou muito", pensou Alice e foi em frente. - Você poderia, por gentileza, como é que eu faço para sair daqui?

-Isso depende muito pra onde você pretende ir - Disse o Gato.

- Pra mim, tanto faz, pra onde quer que seja...- Respondeu Alice.
-Então, pouco importa o caminho que você tome. - Disse o Gato.

- Contanto que eu chegue em algum lugar...-acrescentou Alice, explicando-se melhor.

- Ah, então certamente você chegará lá se continuar andando bastante... - Respondeu o Gato.


...


Moral: se não se têm objetivos, pouco importa o que fazer, um dia se chega, porém o caminho será bem maior. Objetivos ajudam a traçar um caminho e a chegar mais rápido ao sucesso. =)


Fragmento retirado do livro: Alice no País das Maravilhas, Lewis Carroll.