sábado, 23 de janeiro de 2010

1, 2, 3...GO!



Acho que todo mundo merece um tempo de "altas" da vida real. Defino como vida real aquela vida de rotina de trabalho, estudo e volta pra casa. Todo mundo merece um tempo de loucura, algo que aparentemente não vá fazer você ser bem sucedido na vida ( no âmbito financeiro que eu digo.)

A gente fica muito preocupado em ser o melhor profissional, o melhor na área, o mais inteligente e cheio do dinheiro. Porém, de que vale tudo isso se não se tiver vivido experiências interessantes? Se não tiver feito o que realmente se quis em algum momento da vida?

"Nenhuma cidade pode viver em paz, quaisquer que sejam suas leis, quando seus cidadãos(...) não fazem nada senão banquetear-se, beber e entregar-se até a exaustão às preocupações do amor." (Platão)

Mas seria tão ruim assim viver desse jeito só por algum tempo?

Sei que as responsabilidades gritam, as contas chegam etc. Mas calma...
Estou lendo um livro muito interessante que conta a trajetória de uma mulher que largou tudo em busca do conhecimento pessoal. Ela viajou pela Itália, Índia e Indonésia durante um ano. Ela explica a escolha de cada um desses países, que não me cabe explicar aqui. Por enquanto só li a estadia dela na Itália, mas já deu pra ter uma boa idéia de como será o livro. O que eu quero dizer é que não precisamos largar tudo e sair viajando o mundo todo embusca do auto conhecimento. (claro que seria maravilhoso. Mas nem sempre é viável). O que eu quero propor aqui é que façamos o bolo com a farinha que temos. Permita-se conhecer algum lugar próximo a sua cidade que você sempre quis. (no meu caso, Inhotim, brevemente.) Permita-se ir a uma sorveteria sem culpa e misturar sorvete de pistache com sorvete de chiclete, se isso te der prazer. Dê chances a si mesmo de sentir prazer com qualquer coisa, por mais simples que seja, sem julgamentos. Seja carinhoso, gentil com você mesmo. Boas coisas da vida estão sempre perto da gente e não aproveitamos por "falta de tempo" ou por até "preguiça" de fazer alguma coisa fora da rotina. Vamos ser criativos, vamos inventar desculpas para sermos felizes...Não é questão de se tornar irresponsável, mas sim de tornar o responsável do próprio bem estar.


vamos?!

Um comentário:

Sandro Ataliba disse...

Eu já faço isso há algum tempo, e realmente vale a pena. Acho que já teria pirado se não o fizesse.
Beijo!