quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Do que aconteceu e foi. Do que virá...




Então,

Direto ao ponto?

2010 foi um ano bem peculiar. Começou até bem, com uma virada super divertida com a galera reunida, bebedeira, bla bla bla. E eu que nem sabia do que estava por vir.
Foi um ano de muitas mudanças. Mudei de casa pra um apartamento. Mudei de bairro, de vizinhos, de referência, de ônibus. Mas, mais do que isso, mudei muitas de minhas concepções. Índole, caráter, essas coisas a gente não muda. A gente nasce com algumas coisas que, por mais que tentemos disfarçar, sempre dão um jeito de sobressair de um jeito ou de outro.

ok. Mudei por dentro. Tomei coragem, tomei decisões, tomei rumos diferentes, coisas que eu nunca imaginei que conseguiria fazer. Novas necessidades foram criadas, outras foram substituídas, outras deletadas mesmo. Me coloquei em primeiro lugar pela primeira vez na vida e gostei disso.

E quando eu achei que já conhecia todo mundo que tinha pra conhecer, pessoas especiais aparecem no meu caminho, fazendo toda a diferença no meu dia-a-dia. Pessoas como Aline e Mel, que me ensinaram pequenas coisas que me tornaram maior. Novos Familiares também apareceram... meu irmão se casou com a minha irmã! hahaha! (piadinha interna)

Pessoas antigas (amigos e amigas queridas! Familiares e irmãos amados!) não menos importantes me deram mais motivos para mantê-las sempre perto. Pessoas que às vezes nem são tão próximas assim, mas são agradáveis e me fazem lembrar de momentos com saudade. Coisa boa sabe?

Mudei de estágio, e isso me doeu demais. Foi de repente, talvez por isso tenha atingido tanto. Deixei pessoas que gostava muito, momentos hilários, saídas divertidas... mas a vida é assim mesmo. "Um dia a gente chega, no outro vai embora" (Almir Satter) ... a arte do desapego. Mas sei que conservarei algumas pessoas, mesmo que seja um "oi" pelo Facebook de quando em vez.

A gente não sabe de nada mesmo.
Porque aí eu " conheci um guri que eu já conhecia" ( Engenheiros do Hawai) e foi...
Intenso.
Foi quando... *suspir0*
Ele...
Sei lá...
Quando eu percebi entrava na casa do meu amigo já há muito frequentada por mim, como amiga, de uma forma diferente. Quando a Mãe do meu amigo, virou minha sogra, e o irmão cunhado.
Tranquilidade, Felicidade, Simplicidade, Carinho, Risadas, Atenção, Ô surpresa boa!

Ou seja:
saldo de 2010: amigos mais queridos do que já eram, amigos novos, amor lindo, casa nova, estágio novo, muito, muito mas MUITO aprendizado interno. A gente tem que se entender pra entender o mundo.

Ano de muitas saídas, algumas experiências, momentos marcantes e muitas coisas novas.

Sobre a parte ruim? Nem foi tanto assim e nem faço questão de lembrar. Acho que a pior parte foi a dengue e como já sarei, já esqueci.

É isso. Como já sarei, já esqueci.
Por isso não me lembro de nada que não tenha sido bom.

Pra 2011?
Que permaneça o que for bom! Que a vida continue com a sua mágica de surpreender!

Feliz Ano NOVO! YES!

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

No legs, No hands, No worries!

http://www.youtube.com/watch?v=gf3R_6KDf00&feature=player_embedded

Esse vídeo eu recebi por e mail de uma amiga muito querida.
No e mail ela me mandava "boas energias" e esse link, decidi então mandar o mesmo para todos os meus poucos, porém fiéis leitores!

É pra lembrarmos sempre de parar de reclamar e agir sobre nossas próprias vidas.
Viver é muito raro.

=)

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Sina nossa de cada dia.



" Nossa sina é se ensinar."

Se ensinar a viver, é se aprender.
Se ensinar a amar, é se compreender.
Se ensinar a caminhar, é se acompanhar.

Nossa sina é se conhecer, se permitir, se encantar.
Nossa sina é, e sempre será se juntar e se ajudar.

Porque, quanto mais o tempo passa,
Por mais calor que faça,
Te ofereço o meu braço que te abraça,
O meu ombro e a minha carcaça,

Pra que a gente chegue junto e não se torne caça,
Mas sempre caçador.

;)

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Do mundo, nada se leva.






Então.
Foi quando eu acordei e percebi que cada vida carrega uma carga de memória própria e que essas memórias se esbarram mas não se enlaçam, muitas vezes. Em um pedacinho de rua movimentada observamos vidas que correm, que andam, umas preocupadas, outras nem tanto. Cada ser carrega " a dor e a delícia de ser o que é".
Na verdade, quando olho no espelho pareço ser só "mais uma" menina/mulher de 23 anos, que estuda, trabalha, enfim, tem uma vida normal. Mas qual será a minha parcela de existência nessa sociedade? Será que algo ia ser diferente se eu não existisse? Será que muitas pessoas sentiriam falta da minha existência caso eu desaparecesse, simplesmente deixasse de ser?!
Quero ser realmente só mais uma? Ou quero fazer a diferença? Ok, e como farei isso?

Então percebi que esses questionamentos não são só meus, que essas preocupações habitam mais corações. Enquanto seres humanos e pensantes é importante que façamos reflexões para que simplesmente não passemos pela vida. Porém se mergulhar em dúvidas extremas e questionamentos muito relativos pode nos levar ao mais profundo chão do poço.

Lembremo-nos de que somos seres falhos e que a reflexão sobre o que se faz e pra onde se quer ir já é um grande passo.
Fazer planos a longo prazo pode parecer confortante, mas um tanto quanto perigoso a partir do momento que podemos nos ver obrigados a cumprir metas que podem nos frustar.
O equilíbrio entre o planejar e o fazer seria o ideal.
Como conseguir isso? Não faço a mínima idéia, mas acho que tentar é o caminho mais seguro e emocionante.

" Viver é muito perigoso"
Riobaldo - Grande Sertão, Veredas. Guimarães Rosa.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

O jeito Fênix de ser...






"Pra nos tornamos imortais , a gente tem q aprender a morrer"
Teatro Mágico

Isso.

E quantas vezes eu já morri nessa vida?
Quantas vezes já passei noites chorando por casos mal resolvidos,

Quantas pessoas não vejo mais,

Quantos ciclos de amizade e convívio já deixei pra trás...
A gente cresce, tudo muda.
Estabilidade não existe. Ela "está" o próprio nome já diz. Senão seria Ébilidade, por de fato " ser".
A gente está um monte de coisas e é um monte de coisas.
Posso estar alegre, chateada, frustrada, enfim... são estados de espírito. Caráter transitório do estar.
Mas tenho certeza que, graças ao que me foi dado, graças a oportunidade que sempre vem, graças ao amor que sempre recebo, graças ao amor que tenho recebido em específico e graças a dádiva de cair, levantar e continuar, posso dizer que SOU feliz.
O SER está bem ligado ao seu caráter, à sua índole, ao que você é, literalmente.
O estar, é passageiro, efêmero. Serve pra aprimorar mais ainda o SER da gente. Como que pra constatar que somos mesmo, apesar dos pesares.

Então, esse post é sobre meu SER.
Aquela que chora, ri, se confunde, fica insegura, pensativa...

mas é sempre imortal, posto que morre tantas vezes pra renascer cada vez melhor consigo mesma.
A cada cinza, uma oportunidade nova de ser mais.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Então...




E daí se a minha profissão não é tão valorizada quanto a de um engenheiro por exemplo? ( nada pessoal). Quero e vou ser professora sim! E com muito orgulho. Quero poder dividir o conhecimento que adquiri em tantos anos de estudo, quero aprender com o conhecimento prévio de jovens que serão o futuro. Quero corrigir provas, quero planejar aulas e quero me divertir muito em sala de aula, porque não?! Trabalho pode sim ser diversão.
Escolas sucateadas, Ministério da Educação pouco ligando, alunos rebeldes? Sim. Toda profissão tem seus problemas, se esses forem os meus, lutarei para poder mudar a minha parte da situação. O mundo começa a mudar apartir da nossa mudança.

Tenho minhas crenças, minhas concepções, meu modo de vida, minhas filosofias. Não deixarei de fazer nada por causa dos olhares tortos que posso receber por aí ou pelas palavras duras que sairão de bocas que por mim, sinceramente, não teriam dente algum.

Eu sou dona de mim e da minha história.
Sou eternamente responsável por tudo que adquirir, desde coisas materiais até estilo de vida que só perceberei que tive quando estiver sentada na cadeira de balanço rodeada de netos.
Prefiro colecionar boas lembranças do que doenças e uma bela conta na farmácia.
Por isso não me julgue se resolver largar tudo e andar por aí. Só tento me achar, me perdendo cada vez mais na imensidão desse mundão de Deus.

A vida e minha, o "pobrema" é meu.
Rá.

"Eu que não me sento

No trono de um apartamento

Com a boca escancarada cheia de dentes

Esperando a morte chegar..." Raul Seixas - Ouro de Tolo.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Jeito de Mato.




Estou completamente viciada nessa música da Paula Fernandes.
Ela me dá uma sensação que não sei explicar!
Mistura uma vontade de estar nessa tal fazenda, com uma vontade de estar numa cachoeira, não sei. Sei que ela arrasou na melodia, música muito boa pra escutar em um fim de tarde olhando o mundo pela janela e sentindo a brisa no rosto...

Fora que ainda conta com a participação do Almir Satter, aquele violeiro que aparece em tudo quanto é novela que tem ambiente de fazenda.

Olha que letra linda:


Jeito De Mato Paula Fernandes


De onde é que vem esses olhos tão tristes?

Vem da campina onde o sol se deita.

Do regalo de terra que teu dorso ajeita.

E dorme serena, no sereno e sonha.


De onde é que salta essa voz tão risonha?

Da chuva que teima, mas o céu rejeita.

Do mato, do medo, da perda tristonha.

Mas, que o sol resgata, arde e deleita.


Há uma estrada de pedra que passa na fazenda.

É teu destino, é tua senda.

Onde nascem tuas canções.


As tempestades do tempo que marcam tua história

Fogo que queima na memória E acende os corações.

Sim, dos teus pés na terra nascem flores.

A tua voz macia aplaca as dores

E espalha cores vivas pelo ar.


Sim, dos teus olhos saem cachoeiras.

Sete lagoas, mel e brincadeiras.

Espumas, ondas, águas do teu mar...

;)

domingo, 17 de outubro de 2010

E tudo anda em seu lugar.




Pois bem.
Já estou há 15 dias na minha casa nova e ainda tem muito o que arrumar.
Embora eu já tenha minha cama nova, meu armário novo e tudo arrumadinho, ainda falta lugar pros meus livros e minha mesa de estudos. Tudo bem.
pela casa, aos poucos tudo vai tomando o seu destino e na casa " velha" não tem mais nada que nos pertence além de lembranças. Nem a chave é nossa mais.
Tudo bem.

Contudo as coisas nunca estiveram tão certas, tão arrumadas.
A vida nunca estivera tão clara, tão decodificada.
E tudo isso é de grande parte, culpa da Alegria.
Alegria que toma conta do meu ser a cada dia mais, que me completa a cada dia mais, que literalmente me enche de alegria a cada momento.
Alegria que surpreende, mas ao mesmo tempo me conforta.
Ô beleza de Alegria.
Eu amo essa Alegria. Tanto que nem sei.


;)

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Palavras de Deus através dos anjos na Terra.

"Um ciclone atravessou as nossas vidas
De repente tudo fora do lugar
Hoje eu sei, só a mudança é permanente
De repente tudo está no seu lugar"



Engenheiros do Hawai - "Duas Noites no Deserto"


Assim espero.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

A única coisa permanente na vida, é a mudança.

Tenho mais 4 noites na minha casa.
Engraçado quando a gente quer muito uma coisa, acaba conseguindo. Mas depois, na eterna insatisfação do ser humano, fica saudosista, achando que era melhor ter quisto outra coisa.
Sempre quis mudar de casa, mudar de cidade, mudar de vida. Sempre me enjoei fácil das coisas e tive essa síndrome de novidade comigo. Agora que finalmente tenho data certa pra me mudar, acho estranho, caminho cabisbaixa pelo jardim que costumava ser minha floresta particular quando eu era pequena. Cada canto foi cuidadosamente planejado e cuidado com carinho e zelo. Cada encontro de família, cada Natal, cada Ano Novo. Lembro até dos cães que já tive, correndo pela grama, enterrando nossas coisas, nos fazendo ficar furiosos. Lembro dos passinhos singelos das crianças que já passaram por aqui, desde meus sobrinhos, até eu mesma. Foi a casa que nasci, cresci e já tive o sonho, inclusive, de me casar. Quem conhece minha casa, sabe que seria perfeitamente possível e seria lindo de morrer.
Minha casa... já não é mais minha.
Uma cena que nem aconteceu não sai da minha cabeça. A cena do portão se fechando e eu olhando pelo retrovisor pela última vez até ela sumir pelo horizonte.
Sei que minha vida só começa e quantas casas mais entrarei e sairei nessa vida?
Mas essa era a casa né?
E eu sou assim mesmo, nostálgica. Nada mais justo pra uma historiadora ( ou aspirante a )

Tenho partes boas nisso tudo. Um quarto novo, do jeito que eu sempre quis...
Móveis novos por toda casa, uma vida inteira pela frente.
Sei que terei muitas alegrias onde quer que eu vá.
Mas essa foi a primeira casinha...já sinto saudades antes mesmo de partir.
A palavra ESTRANHO pode definir o que sinto agora.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Páginas viradas.


Pra mim, não tem nada mais prazeroso do que o cheiro de um livro novo. Do que admirar minha estante repleta de exemplares que conquistei aos poucos. Nada melhor do que arrumá-los, guardá-los, dar carinho a eles e principalmente, lê-los.
Sempre fui assim, desde que descobri que ler é viajar, é pegar emprestado outro corpo, outros corpos, outras almas, outras visões.
Por isso que dedico meu post a eles, minhas paixões, os livros!

"Ó bendito o que semeia livros,
Livros a mão cheia
E manda o povo pensar

O livro, caindo n'alma
É gérmen que faz a palma
É chuva que faz o mar

Vós, que o tempo das idéias
Largo, abris as multidoes
Para o batismo luminoso das grandes revolucoes

Agora que o trem de ferro
Acorda o tigre no cerro
E espanta os caboclos nus,
Fazei desse “rei dos ventos”
- Ginete dos pensamentos,-
Arauto da grande luz!..."

Castro Alves.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Das boas coisas que não preciso me conter.



Se um dia eu chegar muito estranha, deixe que nosso beijo cale as incertezas... e se mesmo assim ainda estiver um pouco louca, deixa essa noite saber que um dia foi pouco!
Pois pra estar junto, não precisa necessariamente estar perto.
E enquanto você pensa em mim, eu penso em você. É sempre assim.

Ahh, quando penso nos momentos é como se um holograma se fizesse em minha mente, no qual eu posso reviver inclusive sensações. É intensidade que se aprimora com a vontade que não para de crescer.


Barulho bom pra dormir, é o da chuva. Cheiro que instiga, é o da pele, sem perfume, o próprio.
Descobri que os 5 sentidos se tornam mais de mil.

Quem foi que disse que a inspiração só vem com a tristeza? A minha vem de manhã, percorrendo quintais cheios de orvalhos que vimos brotar na madrugada, vem com o cheiro do café fresco na cozinha, veio com uma boa notícia!

Também, pudera. És o mais forte de coração dos que conheço, que faz uma festa de um funeral.
É canção que faz bem a alma, é novidade no envelope...é um não-sei- o-quê que me mata!

Sabe aquele prazer que você tem ao encontrar o banco mais alto do ônibus vazio?
Ou o pudim de leite condensado com a colher pousada sob o prato? Ou o cd mais procurado dos últimos tempos? Nada disso se compara quando seu barco atraca no píer da cidade.
Isso porque a alegria fez da sua alma, morada... e por culpa sua, faz da minha também.

É o que eu sempre digo, tem vez que saudade faz bem!

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Mas a vida...essa sim é uma caixinha de surpresas...

Eis que num dia, tudo o que é, não é mais.
E então você se levanta e percebe que seus sapatos não são mais os mesmos.
Que suas roupas cabem em uma só mala e que tudo o que você precisa está dentro de você e não no seu desnecessariamente gigante armário.
Vai chegar um dia que aquele que pelo qual você tinha carinho, vai te surpreender de tal forma a te deixar de queixo caído e você há de perceber que esse carinho é melhor do que você poderia imaginar que ele ia ser um dia.
Acontece também de você mudar de ares, de bairro, de vizinhos e descobrir que as pessoas mais importantes estarão perto de você o tempo todo, mesmo que fisicamente não estejam. As conquistas cativadas não se esvaem no horizonte.
Você perceberá a sutil ajuda despretenciosa, virar uma amizade pra uma vida inteira.
Que quando você pensa em uma pessoa com afeto desmedido, ela também pensa em você instantâneamente.
Que o universo te dá o que você dá a ele. É melhor repensar isso.
Que no seu cair sempre pisarão pés inimagináveis, contudo no seu levantar mãos surpreendentes também se estenderão.
Você acordará e verá que sempre algo novo esperará por você. Cabe a você agora, esperar pelo inesperado também.

Tente.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Ops cabeça, agora não.



E o que eu tenho a dizer disso tudo? Bem, que o universo sempre conspira ao nosso favor. Se pensamos sempre o mal, sempre obteremos o mal. Se nossos pensamentos estiverem sintonizados com as esferas superiores, quão superiores serão nossas experiências!
Ai do homem que não vê poder em seus pensamentos! Parece um ato simples, pode ser, não obstante perigoso. Os pensamentos são como massas de material indefinido que vão tomando forma de acordo com a sintonia do ser pensante. Doravante, seja a favor de você mesmo! Sempre há uma forma de fazer melhor, de se pensar melhor. Sempre haverá tempo para uma mensagem de bom dia à alguém que te importa. O tempo sempre será suficiente para dar conta das suas demandas, você que deverá prestar atenção com o que faz com ele. Se sentir bem não é escolha, é dever. E eu não poderei fazer nada pra que isso aconteça, só você, xuxuzinho.
Quando eu não quero pensar no que eu não quero, eu simplesmente mando calar a boca com convicção. Não importa onde eu esteja, no metrô, no ônibus, no meio da rua ou na sala de aula. Mando um " cala a boca" preciso e objetivo, de se assustar todos os demônios inúteis. Quem manda na minha mente, sou eu, ora bolas!

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Oração.




Papai do céu:

Eu prometo ser mais boazinha.
Mais boazinha com a minha família, mais boazinha com quem eu amo. Mas, principalmente mais boazinha com quem não vê em mim afeição, pois meu amor por eles terá mais valor, ao passo que se amar quem lhe é amável não é sacrifício algum.

Eu prometo cuidar mais de mim.
Mas antes disso, prometo cuidar das plantas, dos animais, das pessoas e até das formigas que não precisam ser pisadas só porque cruzaram meu caminho.


Eu prometo ser mais gentil.
E com isso proferir mais elogios que ofensas, mais palavras de consolo e críticas construtivas do que meras comparações e depreciações.

Eu prometo policiar meus pensamentos.
Pois é deles que partem as ações que praticarei. O hábito de pensar o mal, materializa o mal.

Prometo policiar minhas palavras.
Pois a palavra dita, não volta pela boca. O silêncio também é prece e virtude.

E mais do que tudo isso, prometo mais do que apenas prometer, fazer acontecer.
Amanhã, não. Agora.

Amém.

domingo, 22 de agosto de 2010

Projeto Amizades Reveladas.




“As pessoas grandes adoram os números. Quando a gente lhes fala de um novo amigo, elas jamais se informam do essencial. Não perguntam nunca: “Qual é o som da sua voz? Quais os brinquedos que prefere? Será que coleciona borboletas?”Mas perguntam: “Qual é sua idade? Quantos irmãos ele tem? Quanto pesa? Quanto ganha seu pai?”
Somente então é que elas julgam conhecê-lo. Se dizemos às pessoas grandes: “Vi uma bela casa de tijolos cor-de-rosa, gerânios na janela, pombas no telhado…” elas não conseguem, de modo nenhum, fazer uma idéia da casa. É preciso dizer-lhes: “Vi uma casa de seiscentos contos”. Então elas exclamam: “Que beleza!”.

O Pequeno Príncipe.
Antoine de Saint-Exupéry.



Desta maneira posso dizer que:

Não sei e não me importa saber onde te abrigas com teus familiares...
Basta apenas que eu perceba os valores que moram em seu coração!

Tão pouco me importa se os caminhos trilhados são repletos de erros...
Basta que possamos aprender no presente uma maneira de não mais errar!

E se me apresentares sua lista de defeitos, acharei perfeito...
Pois, a condição humana nos propõe a humildade para reconhecer nossas limitações!

Se mostrares contrariedade ás minhas opiniões, ouvirei com atenção...
Desta maneira me apresentarás outros horizontes que me fogem a visão!

Apresentando-me lamúrias e contrariedades agradecerei eternamente, por me dar a oportunidade de exercitar a compreensão!

Peço-te apenas que jamais se curve diante das indecisões, presentes para apurar a firmeza dos laços que nos unem á Deus... Nem mesmo se diminua diante de si mesma, pois assim estará duvidando da centelha divina que brilha em você!

E se os dias de tristeza vierem, sofra... Mas somente o suficiente para aprender e se tornar mais forte, pois do contrário seu sofrimento será em vão!

Se o medo da solidão enfeitar teus dias mais longos, aproveite-o para descobrir o quão bom é estar com você mesma e assim os ventos divinos de certo trarão o amor numa próxima estação!

A mim basta apenas dizer que sempre estarei vigilante e disposto para com os que à vida me traz, e se por algum motivo essa amizade se fez que, saibamos bem dela aproveitar, afinal, “tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.”

Créditos à: Aline Larissa Leite de Araújo, 17 de Agosto de 2010. ( Ainda descobrirei que ela é um anjo que na Terra tem habitado.)

sábado, 14 de agosto de 2010

Uma aprendizagem ou o post dos desejos.


Um exemplo que mostra como sou com as coisas, é quando vou postar aqui. Sempre quero colocar a imagem e o título antes, sem nem mesmo ter escrito nada. Ou seja, ou escrevo o que a imagem me inspira, ou sobre o desenrolar do título. Não deveria ser o contrário? O texto deveria fluir antes de eu decidir o que colocar. Mas é porque sou assim, gosto de fazer tudo na ordem, como que respeitando o que vem primeiro na caixa de postagem do blog.

...

E foi quando ela abriu os olhos e viu seu mundo decodificado, como se soubesse o porquê de todas as coisas e situações que aconteciam com sua pessoa. Como se tivesse tomado um copo duplo de serenidade. Com isso pôde agora afirmar que nada abala sua paz interna e seu semblante leve e bem humorado. A vida não é uma só. Quer fazer da vida várias vidas, para serem vividas todas de uma vez. Tem fome, tem sede, tem necessidade. Ah, se as palavras pudessem emitir sons ouvíveis aos olhos!
É como se tudo isso fosse finalmente verdade.

"que (esse bem estar) seja imortal, posto que é chama. Mas que seja infinito enquanto dure."
Amém.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Medo de jacaré.






Pra muita gente, a satisfação vem com a realização de grandes feitos.
Eu também já fui assim.
Hoje, cada vez menos.

Sentir o cheiro da manhã, comer algo quando se está com muita fome, encontrar alguém que é importante, momentos com amigos que se importam com você bem como você se importa com eles.
Ler, ouvir uma música bonita, ter uma conversa agradável, receber uma boa notícia, uma boa surpresa.

Porém, há muito o que conseguir ainda. Quero precisar de menos para me alegrar mais. Quero depender menos do sistema. Não apenas conquistar essa liberdade, mas mais que isso, me importar menos com o que é imposto, consensual, estipulado. Quero mais que liberdade, ter o pensamento livre de mim mesma e meus vícios.
Não, não quero ser outra pessoa. Quero me adaptar às minhas novas necessidades e alcançar a harmonia interna e externa. Quero fazer parte do planeta Terra como um ser que contribui para seu bem estar.

ah, quero tantas coisas! Será que uma vida só será suficiente? Será que terei tempo de fazer tudo o que quero e preciso?
Será que realmente é necesário ouvir as mesmas coisas, das mesmas pessoas, infinitas vezes?
Mas não fugirei, não hesitarei. Afinal, os mesmos problemas me acompanharão onde quer que eu esteja, a sina é minha. Então, vamos acabar logo com isso e encarar o que tiver de ser encarado, falar o que tiver que ser dito, viver o que se tem pra ser vivido.

Quando eu era pequena, tinha muito medo de escuro e de jacaré. Até hoje tenho um pouco de medo, na verdade. O fato é que todos os dias antes de dormir, olhava embaixo da cama pra ver se tinha algum jacaré lá e dormia com a tv ligada pra ter claridade no quarto. Depois que cresci ganhei uma cama nova que tinha outra cama embaixo, fazendo o medo de jacaré desaparecer. Claro! Como ele ia pegar o lugar da outra cama embaixo da minha!? Então é isso, tenho que ocupar minha mente com soluções para meus medos de agora, não deixar lugar pra eles.

Sobre o escuro...bem, não tenho mais tv no quarto. Se ainda tenho medo? Sim, um pouco. Mas parei de me importar com isso. Parei de me importar com muita coisa e tenho sido mais feliz assim.

Esperança. ;)

terça-feira, 27 de julho de 2010

Sorte e desejo.


"Será que a sorte virá num realejo?
trazendo o pão da manhã
a faca e o queijo
ou talvez .. um beijo teu
que me empreste a alegria... que me faça juntar
todo resto do dia .. meu café, meu jantar
meu mundo inteiro...
que é tão fácil de enxergar... E chegar "

Teatro Mágico

Ahhhh...

domingo, 25 de julho de 2010

E só.


Era uma vez um arco-íris.
Ele apareceu, como todos os arco-íris, depois de um dia chuvoso.
Engraçado como que todos os ingredientes para a sua aparição sempre estiveram ali, mas a gente não consegue ver antes da hora certa.
Olhava mas via, não enxergava.
Foi então, que como num clique, como um interruptor que se liga, eu vi, ouvi e senti.
Agora já era.
Foi com ele que descobri o pote de ouro da vez.

Dias desiguais, palavras sem "mas".
Calor no frio, vento no quente.
Tanto, tanto tanto...
Ah como poderia acontecer de eu sequestrar esse arco-íris, não pra mantê-lo preso, posto que é livre, mas conservá-lo sem que ele desapareça de vez.
Ah, se ao menos ele soubesse... Se ele pudesse ficar...
O problema em se gostar de algo é querer sempre mais quando querer não é poder.

Então me deixe.

Deixe eu ter o direito de sentir sua ausência, pois ela não é minha.
Deixe eu ter o direito de pensar em você antes de dormir.
Me deixe para eu não te deixar mais.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Um pedaço.



Gostaria de poder contar que, através da tragédia, descobri algum pricípio absoluto, desconhecido e impactante que pudesse transmitir. Não foi o que aconteceu. Os clichês são todos válidos - o que reamente conta são as pessoas, a vida é preciosa, o materialismo é valorizado demais, as pequenas coisas são as que importam, viva o momento -, e posso repeti-los exaustivamente. Você poderá ouvir, mas não vai conseguir internalizar o que eu disser. A tragédia é pessoal. Ela fica gravada na alma. A gente deixa de ser feliz. Mas se transforma numa pessoa melhor.
Não conte a ninguém - Harlan Coben
Sem mais.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Desapego.




Eu não gosto muito de MPB mas tem uma música da Maria Rita que me faz pensar toda vez que a ouço. http://www.vagalume.com.br/maria-rita/encontros-e-despedidas.html


Sempre imagino como minha vida. Como nossas vidas, eterna estação de trem onde encontramos novas pessoas e nos despedimos de outras. Isso me comove porque, quem me conhece, sabe o quanto sou apegada a pessoas, momentos, lembranças. Claro que devemos pensar que a vida nos reserva milhares de oportunidades e que cada coisa que se perde é uma chance de ganhar algo novo. Mas como estudante de História é demais pra mim pedir que eu me desvencilhe do passado, rs. ( pééééssimo)


Enfim, o que quero dizer é que precisamos nos acostumar, aprender a conviver com as situações de despedida. Precisamos também estar abertos para receber o novo. E nessa história de que se " era feliz sem saber", se é feliz o tempo todo e não nos damos conta disso.

Mas pra mim " lembranças machucam. As boas, mais ainda" (Não Conte a Ninguém - Harlan Coben)

Mas vamos andar pra frente, pois é pra frente que se anda! ;)

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Da leveza.

Eu sou aquela que gosta de abraçar. Abraço amigo que esquenta e consola a gente.
Eu vou brigar com você, mas depois vai ser como se nada tivesse acontecido.
Se você me magoar, vou ficar triste sim e muito. Mas o meu mundo não para, minha vida não muda e eu não deixo de dormir por causa disso.
Sou preocupada. Sei que não vou agradar à todos, mas você sempre me verá tentando.
Vou chorar, vou rir, vou xingar e vou desabafar. Mas sempre vai prevalecer em mim a vontade de ser feliz e o bom humor.
Sou aquela que te telefona quando você menos espera, que te leva um presente quando você nem está fazendo aniversário. Que se preocupa se você está com olhos tristes e que faz questão de rir com você e para você.
Jamais serei aquela que suportará leviandade, mentira da feia, tomate na comida, bipolaridade e que você fale mal das pessoas e coisas que eu gosto.
Tenho poucos dias de fúria, na verdade, nem chegam a ser dias...são momentos. E quando um deles aparece, para sua segurança, mantenha distância. Mas não se preocupe. Eles vão embora com a mesma efemeridade com a qual vieram.
Portanto, não me julgue mal. Sou apenas alguém que tenta acertar o passo a cada caminhada, alguém que está descobrindo a vida, que comete erros e acertos, tentando aprender com eles.
Sou aquela que vai te estender a mão. Ou não.
Sou humana e vou muito bem obrigada.
Agora me deixe deitar embaixo de uma árvore e sentir a grama molhada...me deixe respirar.

domingo, 27 de junho de 2010

Está tudo muito estranho.

Disse que ia voltar só nas férias, mas não aguentei.
Ao ler um post do blog do meu irmão sobre a culpa dos pais na falta de limite dos seus filhos, comecei a pensar em uma coisa que já estava na minha cabeça há algum tempo.
Sabemos que convivemos em um tempo de inúmeras dificuldades, não osbstante às coisas boas também que não poderíamos contar nos dedos das mãos.
Mas acho que existe um problema crucial, cujo não consigo encontrar uma solução pronta, porém a sua discussão talvez favoreça uma melhora ou algo do tipo.
Sem mais rodeios, falo da FALTA DE LIMITE da nossa sociedade como um todo. Vivemos na era em que as pessoas não respeitam mais os limites das outras, assim como elas mesmas não impõem de forma adequada os seus próprios limites. Tudo pode, tudo é permitido... ficamos sem um referencial, perdidos. Não sou do tipo moralista, acredito sim na liberdade, mas acho melhor que cada coisa fique no seu lugar de forma clara, então não vamos confundir as coisas.
Com tudo isso dito acima, reafirmo a tese de que "a mudança mora em você". Logo, se cada um fizer a sua parte, no fim com certeza algo vai ter mudado.
Por isso, peço a você para não extrapolar no seu "fulano's way of life." Somos todos seres livres e independentes claro, porém não se esqueça de que você não é o Will Smith em "Eu sou a Lenda", você não está sozinho no mundo, honey. Existem coisas básicas para a convivência em sociedade que se mostram importantes e que devem ser conservadas. Viva sua vida como achar melhor, afinal ela é SUA VIDA, porém não se esqueça que a minha e a dos outros e inclusive a daqueles que virão no futuro também têm direitos.
Sinto falta das pequenas gentilezas no trânsito, no supermercado, em qualquer lugar, sem motivo, sem a prerrogativa de se conhecer ou precisar de algo em troca. Sinto falta do amor pelo amor, do ser humano pelo ser humano. NÃO à banalização do "muito obrigado", do " me perdoe", e até do " eu te amo."

Gosto muito de uma coisa que meu irmão ( o mesmo do post que me inspirou este) sempre fala:
"Se nada disso te interessa, não tem problema. No fim das contas, são apenas palavras."

É isso.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Já volto...

Preciso abandonar essa página pois estou atolada de trabalhos pra fazer...
Só voltarei nas férias, tão sonhadas!
Beijomeliga.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Mais um post "querido diário"

Tem horas que acho que me perdi. Mas nem quero me achar.
Horas acho que finalmente me encontrei, mas queria era me perder mais, me desprender mais de mim mesma.

Sempre fui muito certinha, muito correta com as coisas. Até que ponto me beneficiei disso?
Mas também não quero enlouquecer (muito), sair muito dos eixos que construí, dos valores que incorporei, da vida que vivi até agora.

Meio termo? Isso dá pra fazer. Dá?

Sempre tive dificuldades em montar meu "Eu". Não consigo simplesmente fazer as coisas como naturais, sempre tenho que arquitetar tudo, planejar tudo. Isso pode ser ótimo e útil mas pra mim, que vivo comigo mesma o tempo todo é muito chato. Por isso quero me libertar. Me libertar de mim mesma e meus medos e fraquezas bobas e imaginárias.
Tenho conseguido viver muito bem ultimamente, obrigada. Mas quero sempre mais.
To bem tranquila, esperançosa... cuido mais de mim, das minhas vontades, da minha mente.
Ás vezes é bom ser um pouco egoísta, pra quem sempre pensou muito mais nos outros do que em si mesma. Me importo com o que vou pensar, no que vou sentir, e não mais no que vão achar de mim.

é isso.

terça-feira, 15 de junho de 2010

Da Colheita.

Olha, uma coisa que não gosto é de contradição. Não que as pessoas não possam mudar de opinião, ou de formas de pensar, sei lá. De forma alguma, a mudança faz parte da vida e permanecer estático é imbecilidade.
Mas por Deus, mude com dignidade. Pense sempre no que for falar e fazer para não se tornar escravo de suas palavras e atos. Não tem nada mais patético do que uma pessoa sem personalidade, que toma atitudes ao léu, que não tem um caráter próprio, que é volúvel na sua essência. Nunca faz coisas porque realmente quer, mas sempre baseado em atingir alguém ou acompanhar somente, se tornando "maria vai com as outras". Essa pessoa torna-se vazia de conteúdo, que nem a leitura dos mais famosos clássicos, nem horas de estudo, nem curso nenhum em faculdade nenhuma em lugar nenhum do mundo consegue suprir.
Seja fiel às suas convicções, e, mesmo que você não tenha nenhuma, não tome convicções dos outros como suas próprias. Não trate as pessoas como coisas, como opção, num dia que você não sabe o que fazer da vida.
Você pode sim, ser um ser humano melhor do que você é, mas tenha dignidade e aja com coesão.
Se dê ao respeito, para ser respeitado.
Você tem a liberdade de fazer o que quiser, quando quiser... só não reclame depois.
A gente sempre colhe o que planta.

Quais sementes tem sido as suas?!

terça-feira, 8 de junho de 2010

Pedaços de mim.




"Eu sou feita de sonhos interrompidos, detalhes despercebidos, amores mal resolvidos.
Sou feita de choros sem ter razão, pessoas no coração, atos por impulsão.
Sinto falta de lugares que não conheci, experiências que não vivi, momentos que já esqueci.
Eu sou amor e carinho constante, distraída até o bastante, não paro por instante.
Já tive noites mal dormidas, perdi pessoas muito queridas, cumpri coisas não-prometidas.
Muitas vezes eu desisti sem mesmo tentar, pensei em fugir para não enfrentar, sorri para não chorar.
Eu sinto pelas coisas que não mudei, amizades que não cultivei, aqueles que eu julguei, coisas que eu falei.
Tenho saudade de pessoas que fui conhecendo, lembranças que fui esquecendo, amigos que acabei perdendo...Mas continuo vivendo e aprendendo." (Marta Medeiros)

O importante é aprender com os erros e cultivar os acertos.
É mudar quando preciso for,
Não viver só pelo amor,
Nem se importar muito com a dor.

No final, estamos todos na mesma situação,
de evoluir ou não,
deve-se mesmo arriscar, sem pestanejar...
ah como quero sair daqui pra viajar!

=)

terça-feira, 25 de maio de 2010

rien de rien.




mas é como se estivesse certa de que pensar não leva a lugar nenhum mas mesmo assim insiste em matutar as coisas naquela cabecinha de bagre. Ja tinha desistido de imaginar demais, porém quando chegou ao topo da serra, olhou pra baixo e viu o quanto já tinha subido...agora não dá mais pra voltar. Qual é o ponto limite entre encarar e desistir? Qual a validade de se fazer o que quer errado e se fazer o que não quer certo?


Pela frente tinha um desfiladeiro, cheio de verde. O céu estava azul e o sol nascendo. Mais um dia começava então. O cheiro da relva molhada entrava pelas narinas e dava uma sensação de liberdade...de frescor que a fazia não desistir mais. Incrível como há uma grande diferença quando se vive e quando se pensa sobre.


Ah vai. Pode ser mais simples do que isso. São só passos. Um de cada vez, isso é o mais importante.






quarta-feira, 19 de maio de 2010

Alice, o relógio!

Sempre gostei de caminhar, de sentir o vento frio no rosto. De sentar no banco mais alto do ônibus. De comprar besteiras nas lojas de doces. Essas coisas que a gente não planeja muito, mas quando faz é bom e a gente só percebe depois que já fez. É igual sentimento, coisa séria que a gente só percebe depois que não tem volta.

Me lembrei com isso do primeiro menino que gostei na vida. Aquele amor tímido, que só as melhores amigas, aquelas escolhidas a dedo sabiam. Aquele amor da gente saber tudo sobre. Até hoje me lembro do nome completo dele, um nome de 5 sobrenomes, uma dádiva decorar mesmo. Ficava imaginando como seria apresentar para meus pais, o dia do casamento e o nome do nosso cachorro. Claro que ele nunca soube de nada disso, mas eu sim não vou esquecer. Era tão inocente...morri de tanto chorar quando ele mudou de escola e morri de tanta emoção quando, após uma greve mudei para uma escola particular e lá estava ele conversando com os amiguinhos. Gente! Foi como ganhar na loteria, que coisa boa!
Claro que não rolou nada nunca e ele foi só um dos milhares de amores platônicos que a gente coleciona nessa vida.

A gente coleciona muita coisa nessa vida.
Abraços bem dados em pessoas especiais.
Festas surpresas que prepararam pra gente.
Quando a gente passa numa prova disputada, ou quando tira carteira de motorista.
O primeiro beijo, a primeira decepção.
O dia que você achou que ia morrer de tanto chorar e quando vê, já está gargalhando com sua melhor amiga num carro indo pra qualquer lugar.
A dor de perder pessoas queridas. Seja por morte real ou morte no nosso coração.
O primeiro porre escondido da mãe e o primeiro esporro por isso.
...

E assim a gente vai viajando,
cochilando e acordando,
horas ouvindo música, horas trocando a pilha do radinho.
Comprando lembrancinhas nas paradas e guardando dentro da bolsa pra dar pra alguém ou simplesmente pendurar na estante...

Mas já está em cima da hora! Foi então que o ônibus tombou no viaduto e segui o resto da viagem pensando nessas coisas e sentindo saudade do que não foi.




*créditos à Quel querida, que me deu inspiração mesmo sem saber!

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Dias não iguais


E então é isso.
Que loucura, como a gente é pessimista e otimista ao mesmo tempo! Um dia você acorda achando que a vida acabou, que a felicidade nunca mais existirá e que você é um baita de um perdedor. No outro as esperanças se renovam, você acha que está com tudo e caminha cheio de disposição rumo ao sucesso.
A verdade é que somos seres insatisfeitos por natureza. E não tinha como ser diferente. Uma pessoa sem sonhos, que não tem nada a ser alcançado perde o sentido de viver.
Eu sou do tipo da pessoa que é Drama Queen mesmo. Exagerada, louca. Mas não sou bipolar, mesmo assim. Não saio por aí discontando nas pessoas as minhas dores. Todo mundo sofre. Todo mundo já sofreu e vai sofrer. Ninguém tem nada a ver com a vida ruim de ninguém.
Só sei que estou em uma fase de transição. Não sei de onde pra que lugar, não sei o que fica e o que muda. Só sei que a cada dia mais sinto que as coisas não serão mais como eram antes. Não sei se pra melhor, pra pior, só sei que é pro diferente. A gente tem que ir mudando mesmo, tem que ir adaptando às novas circunstâncias que a vida te apresenta. Ok, então. Bora lá pra ver o que acontece...

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Post "querido diário"

"Calma alma minha,
Calminha..."

Às vezes a gente faz coisas e só vai entender depois.
Se eu pudesse, pedia pra Deus pra ver meu futuro, pra ver o que eu devo fazer agora pra deixar o futuro do jeito que eu fosse me sentir mais realizada. De um jeito bom sabe?
Ah, como eu queria ver minha vida só um pouquinho! A incerteza do amanhã faz a gente arriscar demais, se arrepender demais, se frustrar demais, se doer demais...
A minha vida sempre foi muito intensa. Se é felicidade, é demais. Se é tristeza, é demais!
Hô Deus, num dá pra mandar um meio termo não?!


"Papai do Céu, me proteja e desenvolva em mim a serenidade. Me dê paciência para aceitar o que não posso mudar, coragem para mudar o que posso e sabedoria para distinguir uma coisa da outra. Amém."



"Já, que você não está aqui
O que posso fazer é cuidar de mim...
Quero ser feliz ao menos
Lembra que o plano era ficarmos bem?!" (legião Urbana - Vento no litoral)


Saudade do passado...saudade até do que ainda não vivi...saudade do meu futuro.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

É engraçado quando a gente passa a dar valor a coisas que antes eram tão banais...
Tenho valorizado muito as risadas.
Aquelas sinceras, que surgem lá de dentro e te fazem até perder o ar.
Tenho valorizado as pessoas que me fazem rir.
Porque são essas pessoas que te tiram do tédio, que te fazem esquecer os problemas, as angústias e os tempos maus.
Tenho valorizado os momentos.
Pois mesmo que passageiros, são momentos únicos, que não voltam mais. E, justamente por não haver possibilidade de volta, que eles se tornam tão gostosos...tão...únicos.

Eu sou uma pessoa carente. Preciso sempre estar rodeada de gente. Preciso sempre de gente pra qualquer coisa. Sei que vim sozinha pra esse mundo sozinha e vou voltar pra sabe-se lá onde sozinha,
Mas enquanto eu estiver aqui, sou grata por ser rodeada de gente que me faz rir.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

sobre escrever

Eu sempr gostei muito de escrever, sabe? Quem me conhece há muito tempo sabe que eu já tive vários blogs e entre idas e vindas, sempre gostei de ter onde escrever minhas coisas.
Porém, eu costumo dizer que tenho vários personagens dentro de mim. E por vezes, acho conveniente me apropriar de qualquer um deles para fabricar meus escritos. Então, se você achar estranho qualquer coisa, não faz mal...é só alguém dentro de mim querendo sair, tomar voz, usar minha mente e minhas mãos para ganhar vida. Não, isso não é psicografia nem nada do tipo. É apenas eu, querendo ser um pouco de cada um, pra ver se experimento como é ser outro alguém. Às vezes é desabafo meu, às vezes de outro eu que não sou eu mas vive em mim.
Confuso? Nada...
Na verdade, tanto você quanto eu sabemos que você não é uma pessoa só.
Personalidade e caráter é uma coisa. OK.
Mas eu estou falando de comportamento... você aluno é diferente de você filho, ou você profissional.
Agora escrever como eu é como se eu tivesse a oportunidade de ser outra, ou outro, vivendo outras situações, em outro lugar, sentindo outras coisas... só pra ver como é.
Mas no final das contas, é só eu contra mim mesma.

domingo, 11 de abril de 2010

Eu detesto me fazer de vítima.
Detesto não sorrir, ser uma pessoa triste.
Não gosto de remoer e nem de sofrer.
As coisas mudam, o tempo passa, tudo passa. ( até uva...)
Só que, hoje... agora... eu vou me permitir um silêncio.
Uma dor.
Uma solidão.

Só por um momento.
Só hoje.

quinta-feira, 1 de abril de 2010

in wonderland...





Foi quando se surpreendeu, ao ver o Gato Inglês sentado num galho de árvore a pouca distância dali. O Gato apenas sorriu quando viu Alice. Parecia muito simpático, ela pensou. Tinha, porém, garras muito longas e uma porção de dentes, de modo que ela considerou que deveria tratá-lo com respeito.

-Gatinho Inglês - começou ela, meio tímida, pois não tinha muita certeza se ele iria gostar de ser tratado nesse modo.

O Gato apenas alargou um pouco o sorriso.

"Ora, vejam só, parece que ele gostou muito", pensou Alice e foi em frente. - Você poderia, por gentileza, como é que eu faço para sair daqui?

-Isso depende muito pra onde você pretende ir - Disse o Gato.

- Pra mim, tanto faz, pra onde quer que seja...- Respondeu Alice.
-Então, pouco importa o caminho que você tome. - Disse o Gato.

- Contanto que eu chegue em algum lugar...-acrescentou Alice, explicando-se melhor.

- Ah, então certamente você chegará lá se continuar andando bastante... - Respondeu o Gato.


...


Moral: se não se têm objetivos, pouco importa o que fazer, um dia se chega, porém o caminho será bem maior. Objetivos ajudam a traçar um caminho e a chegar mais rápido ao sucesso. =)


Fragmento retirado do livro: Alice no País das Maravilhas, Lewis Carroll.

domingo, 28 de março de 2010

motivos.




A gente sempre tem motivo pra chorar. Pra se estressar. Pra se deprimir e se indignar.
Mas também, sempre teremos motivos para sorrir, para se sentir vivo, para ser e fazer.
É dentro da gente que sempre acharemos as respostas, as alegrias e as tristezas. Está tudo aqui dentro.
Infelizmente, a alegria não dura pra sempre, é verdade. Porém, a tristeza também não e é isso que nos impulsiona a continuar vivendo. Sempre.

sábado, 13 de março de 2010

Ou não...

A vida é um parque de diversões sim, mas eu só ganhei ingresso pra montanha russa...
¬¬'

domingo, 7 de março de 2010

Welcome to the jungle!


Ah, como as coisas são... um dia você pensa que tá tudo monótono, que você não tem pra onde ir pra mudar, que não te vem nenhuma idéia na cabeça, que você quer tanta coisa mas não consegue sair do lugar. Aí, de repente, assim, do nada, você recebe uma ligação que muda tudo! Tá, não muda tudo, mas a gente tem que se permitir às pequenas alegrias pra viver bem. Fazer do que é pequeno, simples, algo grande e importante. E deixar a felicidade tomar conta de você sem se preocupar com o prazo de validade dela, porque é como dizem

" não existe felicidade plena, mas a vida é feita de momentos felizes."


E é só isso que me importa agora. ;)


Obrigada papai do céu!

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

E hoje: O desprazer de uma vida normal

http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1500206-5598,00-GREVE+DE+ONIBUS+PREJUDICA+UM+MILHAO+NA+REGIAO+METROPOLITANA+DE+BELO+HORIZON.html

Agora vamos lá. Ok, todos têm direito de reivindicarem seus direitos e melhorias. Mas prejudicar 1 milhão de pessoas em prol de uma minoria não é legal. O que nós, pessoas que precisamos dos ônibus temos a ver com isso? É justo criar essa imensa confusão na cidade a troco de, diga-se de passagem, um aumento inalcançável de 37%???

Só podem estar de brincadeira. Enquanto isso, engarrafamentos intermináveis, filas monstruosas nos pontos, ônibus depredados, pessoas faltando de serviço e sendo prejudicadas. Será que esses malditos grevistas não pensaram que vão descontar na folha do trabalhador belorizontino todos os dias de ausência deles no trabalho? Claro que não, porque cada um só pensa em si.

"Ah, coitados, então como é então que você quer que eles lutem pelos direitos deles?" Eu não sei e não tenho nada a ver com isso. Poderiam ter escolhido outra profissão ou sei lá o que. O que eu sei é que é totalmente contraditório fazer uma greve desse tipo para conseguir melhorias para eles próprios sem pensar que muito mais da metade da população da cidade depende do trabalho deles para ganhar o próprio dinheiro. O ser humano é muito inútil, só pensa em si próprio, nas suas vantagens, no seu mundinho, se esquece que faz parte de um todo e que qualquer alteração estraga o equilibrio. Nessas horas que me dá vontade de ser radical e sair demitindo todo mundo, porque o que não falta é gente pra ficar no lugar desses motoristas. Infelizmente a coisa só anda quando se toma atitudes mais drásticas.

Ai que raiva, menina!


Prontofalei.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

hello.


O que é ser humano? É sentir, é ver, é transparecer.
Mais do que isso, ser de fato humano, um ser racional (será?!), é ter a consciência de que se está vivo...e que dádiva é essa? Sei não.
Tem horas que preferia não saber. Quem sabe aí sim eu poderia realmente viver sem pensar demais. A cabeça da gente é algo muito louco, não pára. Quando você vê, já criou falsas verdades, mentiras sinceras, coisas que fogem do seu controle.
E quem disse que temos que controlar alguma coisa?
Quem prometeu que seria fácil? Prazeroso? Certo?
Quem foi que assegurou que tudo daria certo no final?
A vida não tem um manual, mas ó:
- Não torne a vida mais difícil do que ela já é. Se pode voltar atrás, faça. Se não, pense bem.
- Não estamos fazendo um rascunho, vê se capricha para não sobrarem apenas rabiscos e rasuras pelo caminho.
- Relaxa. Todo mundo passa, passou, ou vai passar por algo parecido ou muito pior um dia. Você não é o único.
- Fica feliz...se a felicidade se tornar um hábito, ficar triste fica muito difícil.
- Tenha carinho com as pessoas, educação, gentileza. Mais uma vez, não torne a vida mais difícil do que ela é.
- trate o próximo como gostaria de ser tratado. Acho que isso é o mantra da raça humana.
lembre-se: o momento é agora.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Minas são muitas.



"Vai diminuindo a cidade,
Vai aumentando a simpatia,
Quanto menor a casinha, ai ai
Mais sincero o "bom dia"...

Mais mole a cama em que durmo,
Mais duro o chão que eu piso,
Tem água limpa na pia, ai ai
Tem dente a mais no sorriso..."

Propaganda da Globo Minas ao som calmo da banda Pato Fu.

Acho lindinha essa música e me traz uma paz...
Minas é isso, é simplicidade, é paz, é tranquilidade. Adoro viajar pelo interior do meu Estado, acampar...conhecer pedacinhos dessa terra que é tão grande. Aprendi a gostar de tudo isso, a valorizar o interior depois de passar por muitas coisas na "cidade grande". Minas são muitas.

Adooooro.

sábado, 23 de janeiro de 2010

1, 2, 3...GO!



Acho que todo mundo merece um tempo de "altas" da vida real. Defino como vida real aquela vida de rotina de trabalho, estudo e volta pra casa. Todo mundo merece um tempo de loucura, algo que aparentemente não vá fazer você ser bem sucedido na vida ( no âmbito financeiro que eu digo.)

A gente fica muito preocupado em ser o melhor profissional, o melhor na área, o mais inteligente e cheio do dinheiro. Porém, de que vale tudo isso se não se tiver vivido experiências interessantes? Se não tiver feito o que realmente se quis em algum momento da vida?

"Nenhuma cidade pode viver em paz, quaisquer que sejam suas leis, quando seus cidadãos(...) não fazem nada senão banquetear-se, beber e entregar-se até a exaustão às preocupações do amor." (Platão)

Mas seria tão ruim assim viver desse jeito só por algum tempo?

Sei que as responsabilidades gritam, as contas chegam etc. Mas calma...
Estou lendo um livro muito interessante que conta a trajetória de uma mulher que largou tudo em busca do conhecimento pessoal. Ela viajou pela Itália, Índia e Indonésia durante um ano. Ela explica a escolha de cada um desses países, que não me cabe explicar aqui. Por enquanto só li a estadia dela na Itália, mas já deu pra ter uma boa idéia de como será o livro. O que eu quero dizer é que não precisamos largar tudo e sair viajando o mundo todo embusca do auto conhecimento. (claro que seria maravilhoso. Mas nem sempre é viável). O que eu quero propor aqui é que façamos o bolo com a farinha que temos. Permita-se conhecer algum lugar próximo a sua cidade que você sempre quis. (no meu caso, Inhotim, brevemente.) Permita-se ir a uma sorveteria sem culpa e misturar sorvete de pistache com sorvete de chiclete, se isso te der prazer. Dê chances a si mesmo de sentir prazer com qualquer coisa, por mais simples que seja, sem julgamentos. Seja carinhoso, gentil com você mesmo. Boas coisas da vida estão sempre perto da gente e não aproveitamos por "falta de tempo" ou por até "preguiça" de fazer alguma coisa fora da rotina. Vamos ser criativos, vamos inventar desculpas para sermos felizes...Não é questão de se tornar irresponsável, mas sim de tornar o responsável do próprio bem estar.


vamos?!

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Saia do muro.


(Descobri essa escritora há poucos dias e já a estou adorando. Resolvi então colocar aqui um fragmento de um texto dela, que inclusive é muito apropriado pra todos nós.)

"Sempre desprezei as coisas mornas, as coisas que não provocam ódio nem paixão, as coisas definidas como mais ou menos, um filme mais ou menos ,um livro mais ou menos. Tudo perda de tempo. Viver tem que ser perturbador, é preciso que nossos anjos e demônios sejam despertados, e com eles sua raiva, seu orgulho, seu asco, sua adoraçao ou seu desprezo. O que não faz você mover um músculo, o que não faz você estremecer, suar, desatinar, não merece fazer parte da sua biografia."

Marta Medeiros.

Concordo com isso sabe? Só se percebe que se está vivendo quando as emoções são despertadas. Na nossa vida, os momentos que sempre são lembrados são os de muito choro ou muito riso. Tranquilidade é para plantas. Não seja assim! Sinta, fale, grite, chore, ria, viva intensamente!

Independente de religiões ou crenças, a Bíblia Sagrada sempre tem algo a dizer, coisas no mínimo interessantes. Em Apocalipse 3:15-16 diz assim: “Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; oxalá foras frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és quente nem frio, vomitar-te-ei da minha boca.”

Por favor, não seja morno! Ficar em cima do muro não traz nada pra ninguém e você ainda pode cair de lá e se machucar. Não passe despercebido. Esse mundo é muito grande e tem muito espaço para diversidade. Há um lugar para você fazer o que ninguém mais sabe fazer. Há sempre um espaço para seu talento ser mostrado. Seja esse talento muito visível ou apenas um talento tímido, mas que faz toda a diferença.

Faça você a diferença, principalmente na sua própria vida.

;)

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

será que todo dia vai ser sempre assim?


Parei de pensar e comecei a sentir...ao menos nas férias da faculdade, que é quando nos sentimos mais livres para fazer as coisas com mais calma e não esquentamos tanto a cabeça, parei de medir demais, de pensar demais. Já reparou como os melhores programas com amigos, as melhores saídas, as melhores viagens são naqueles momentos que não pensamos muito, não planejamos muito e simplesmente fazemos?
Não acredito muito em signos, porém tem umas coisas que batem muito, não tem como negar. Sou virginiana, signo bendito. (pra não dizer o contrário)
Signo de pessoas que sofrem com elas mesmas por serem muito metódicas, muito perfeccionistas, muito detalhistas, que pensam muito antes de tomar uma decisão...que preguiça! Não, mentira...
Têm vezes que tudo isso pode parecer vantagem, qualidade mesmo. Mas pra quem é assim, quem convive com o fato de "ter que ser perfeito em tudo", não é muito agradável. Tenho o costume de viver medindo a minha vida, viver checando se tudo está bom, está certo. Uma mania de ficar verificando tudo, ficar fazendo revisões que no fundo só servem para detectar defeitos e coisas que não podem ser mudadas, só servem pra fazer sofrer atoa.
Sempre acreditei que pensar demais não é bom. Às vezes ser ignorante com certas coisas é melhor do que saber de tudo. " Ignorância é força." ( livro 1984 - George Orwell)
Por isso que agora que não tenho que pensar obrigatoriamente, vou parar um pouco de pensar. Vou acordar a cada manhã, fazer o que eu tenho que fazer ( porque ainda não consegui me libertar das minhas obrigações) e simplesmente viver. Achar tudo lindo, admirar as obras divinas, sorrir calmamente e parar de ser um fruto do sistema que quer me preocupar cada vez mais, quer sugar minha vida humana cada vez mais...
vamos aproveitar mais o dia?!

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Vontade não se discute.


Depois que eu ouvi essa frase em uma aula do semestre retrasado de história contemporânea (não me peça pra explicar o contexto porque eu não me lembro) isso não sai da minha cabeça e acabo concordando que é uma p* verdade.

Pode ser errado, pode ser inconcretizável (?), pode ser impossível. Mas a sua vontade de fazer, ser e ter não se discute. Quando se tem a vontade, se tem e pronto. Mesmo que você se envergonhe ou esconda essa vontade bem la no fundo do seu ser, ela ainda continua lá, te assombrando de tempos em tempos.

Porém, não quer dizer que temos que realizar todas as nossas vontades a qualquer custo. Infelizmente, a vida é feita de escolhas e, pra cada uma delas, há uma renúncia. Não se pode ter tudo. E todas as decisões implicam lados bons e ruins.

Há de se ter serenidade para distinguir o possível do impossível. Para saber renunciar o que não te fará tanta falta assim ou até mesmo o que poderá ser reversível. Paciência. Sabedoria. Atitude. Calma.

"Viver é muito perigoso." - Grande Sertão Veredas.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

So, just pull the trigger



Qual o tipo de sentimento que essa imagem desperta em você?

É tão engraçado como o tempo (chuva, sol, sensação de calor, de frio, etc) altera o nosso estado de espírito. Não sei como isso funciona pra você, mas pra mim me sinto muito mais inspirada a refletir e criar nos tempos chuvosos. Não é só por estar "presa" em casa que isso ocorre. Há uma mudança dentro de mim, que me faz respirar mais fundo, piscar os olhos com mais lentidão. Como se esse tempo me convidasse a pensar mais na minha vida, a refazer os planos, esse tipo de coisa.

Nos dias de sol, pelo contrário eu quero viver. Não quero pensar em nada, quero apenas sair, andar ao ar livre, "chutar o balde" e carpe diar...

Não diminuindo de forma verdadeira a quota de alegria interna ou bom humor, em um clima frio somos mais nostálgicos. Talvez mais introspectivos, mais Clarice Lispector do que Amélie Poulain, personagem que poderíamos incorporar em um dia de sol e céu azul. O que quero dizer é que, parece que quando está frio, chovendo e afins, parecemos ser mais interessantes. Não quer dizer que estamos tristes e deprimidos de fato, mas esse tipo de dia chuvoso, ao menos pra mim, traz um "Q" de inspiração que temos só quando estamos tristes. É a tristeza poética, ou a falsa tristeza, que forjamos sentir incoscientemente. E eu adoro esses momentos. Tenho certeza que escritores top de linha de todo mundo usam isso para seus momentos de criatividade. Talvez a grande diferença entre um bom escritor e um mero mortal seja ter total controle de como e quando se usa esse recurso.

Coisa parecida acontece com as músicas.
Um certo tipo de música + chuva + cheiro de terra molhada + frio + um bom livro = a resultados interessantíssimos.

Mas esse é assunto pra outro post.

"Memory fuses in shatters out glass, but carry your future, forget the past...."
- Leaving NY - R.E.M

domingo, 3 de janeiro de 2010

Audaces fortuna iuvat

Eu adoro frases. Acredito que as frases de efeito fazem a gente desencadear inúmeras linhas de raciocínio interessantes.

Essa frase eu vi em um filme que nunca imaginava que poderia ter alguma coisa desse tipo. Foi falada por um ator que eu nem conheço que interpretava um típico loser americano em Férias Frustradas de Verão, enquanto jogava em um fliperama no parque de diversões que trabalhava. Ele tinha acabado de derrotar os inimigos do jogo.

A sorte favorece os corajosos. Janeiro é um mês que normalmente temos mais vontade de acordar de manhã e começar um dia. Ao menos pra mim, um ano que começa me dá a impressão de renovação, é como se eu pudesse mudar o que eu quisesse na minha vida que com certeza iria dar certo. Devemos aproveitar esses momentos de pequenas esperanças para começar a mexer nossos pauzinhos. A vida é longa para perder tempo se lamentando pelo que não deu certo e curta demais para ficarmos parados, sem realizármos nossos sonhos.

A definição de "coragem" é enconrada assim no dicionário Aurélio da língua portuguesa: Firmeza; energia diante do perigo; audácia; ousadia.

Ser corajoso é se ter, ou procurar no nosso interior energia para mudar o que nos ameaça. Essa ameaça pode ser concreta ou apenas emocional. Em alguns momentos, o maior inimigo que temos somos nós mesmos. Nós temos a maior força sobre nosso próprio ser. Ficar se boicotando é a pior coisa que podemos fazer. Então não pense que quando ficamos tristes com alguém, foi a pessoa que nos fez algum mal. Ok, ela pode até ter feito algo não muito agradável, porém, fomos nós que escolhemos ficar tristes pelo o que ela fez. É muito difícil desvencilhar todos esses sentimentos que temos quando sofremos a ação do outro, mas tudo vem com a prática. Se não começarmos a praticar, nunca vamos conseguir fazer a diferença. Ser corajoso é ser audacioso nos planos, é pensar grande, é não se subestimar, é ser firme nos propósitos, convicções, é ser determinado.

Falar de sorte é meio complicado. Eu acredito que fazemos a nossa própria sorte. Acredito que a sorte vem com a consequência de atos praticados por nós. No dicionário sorte se define assim: Destino, risco; felicidade.

Repare bem que sorte é risco. Ou seja, sentado no sofá na segurança do seu lar você não encontrará a sorte. Sorte é arriscar. É mudar de paradigma, de mirante, de modo de fazer as coisas. Sorte é destino. É futuro. Sorte é felicidade!

Juntando todas as peças: A sorte favorece os corajosos. A felicidade favorece os audaciosos. O Destino favorece os ousados.

Pense nisso. Cair faz parte do jogo. Se levantar também.
Eu te desafio.

sábado, 2 de janeiro de 2010

Ano Novo, Blog novo!



Bem, esse post é mais para me dar as boas vindas no blog novo! Quem me conhece há muito tempo sabe que já tive alguns blogs e como eu gostava de escrever neles. Porém, depois de um tempo eu meio que me cansei, não da vontade de escrever, mas de ficar refém de atualizações, sei lá. Resolvi criar um novo blog, em um novo ano, para escrever...e simplesmente isso. Não tenho a intenção de fazer um diário da minha vida. Podem haver posts um pouco mais pessoais, outros não. Algumas críticas, artigos, ou simplesmente fragmentos de idéias ou músicas. Esse blog será um espaço de livre criação pra mim. Simples assim.


Espero que se torne interessante para quem ler também.
Feliz Ano Novo!